Câncer em gatos

O câncer é a proliferação e divisão anormal de células sem uma causa aparente.

por George Augusto — publicado 16 mar 2015 - 18:49

O Câncer, ou conhecido na medicina como neoplasia, é uma doença que acomete vários seres vivos, incluindo o gato. Essa moléstia é uma das, se não for a mais, temida por todos os criadores de felinos, pois é conhecida por levar grande parte de seus portadores à morte. Para um entendimento melhor, o câncer é a proliferação e divisão anormal de células sem uma causa aparente. Muitos tutores pensam que câncer é todo nódulo que se apresenta em determinada região. Essa afirmação pode levar a um falso diagnóstico, pois nem todo caroço é câncer. Existe uma grande diferença entre tumor e câncer. O tumor normalmente é classificado como uma neoplasia benigna, ou seja, não é tão ofensivo e não desencadeia um quadro de metástase. Diferentemente do tumor, o câncer é classificado como uma neoplasia maligna e bastante ofensiva, e diferentemente do tumor benigno, leva a metástase (quando o câncer é disseminado para outros órgãos do corpo).

Existem vários tipos de câncer encontrados nos gatos. Um dos cânceres mais encontrados nas gatas é o câncer de mama, principalmente naqueles animais que tomam anticoncepcionais. Já no caso dos machos, é encontrado mais comumente o câncer de testículo. É importante ressaltar, que em  qualquer órgão do corpo do pet  pode aparecer a neoplasia, desde a pele até os ossos. Dependendo do órgão em que ela se desenvolva, a neoplasia receberá uma nomenclatura e um prognóstico.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Os sinais clínicos são bastante diversificados, isso irá depender do órgão acometido. O grande problema que gira em torno do câncer, é que, na maioria dos casos, o tutor só observa sua presença na fase terminal do animal. A neoplasia maligna age silenciosamente no organismo do animal, ou seja, o animal pode passar anos como portador da moléstia sem apresentar nenhum sinal indicativo. Em casos de câncer de mama, câncer de pele, câncer de osso e etc, muitas vezes o tutor observa os sinais e encaminha o gato imediatamente para uma clínica, mas em órgãos internos, a situação fica mais complicada.

Quando o animal está na fase terminal é possível observar alguns sintomas que antes não eram vistos, tais como: A inapetência ou a anorexia, ou seja, o animal não se alimenta mais ou diminui a quantidade normal. O gato costuma apresentar letargia; sonolência; prostração; dores; vômitos, entre outros indicativos.

O diagnóstico deve ser feito por um médico veterinário. Em muitos casos, o nódulo que foi encontrado pelo tutor,  se tratava de um quadro metastático, fazendo-se necessária a avaliação do profissional para descobrir de qual órgão se originou a neoplasia. Existem exames que o médico veterinário solicita para que o diagnóstico seja fechado da forma correta. Os principais exames são: Ultrassonografia, Raio X contrastado , exame de sangue e, principalmente, a biópsia.

O tratamento é feito com terapia medicamentosa específica, também conhecido como quimioterapia. Os medicamentos são bastante fortes, fazendo com que animais muito debilitados  ou em fases terminais não agüentem o tratamento até o final. A quimioterapia é uma boa escolha e surte bons efeitos quando descoberta a neoplasia no início.

A prevenção consiste no check up anual, com um profissional habilitado, numa clínica veterinária.

 

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo

Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária

Contato: [email protected]

deixe seu comentário: