Estrabismo em gatos

Muitos tutores pensam que o estrabismo é algo somente estético, mas não sabem que esse desalinhamento dos olhos pode afetar a percepção de profundidade do animal.

por George Augusto — publicado 7 abr 2015 - 8:05

O estrabismo, ou também conhecido como desvio ocular, é uma situação bastante comum  de ser encontrada em gatos. Normalmente, o estrabismo não está relacionado a nenhuma patologia (doença), porém é necessária uma investigação para ser descartada qualquer moléstia grave. Muitos tutores pensam que o estrabismo é algo somente estético, mas não sabem que esse desalinhamento dos olhos pode afetar a percepção de profundidade do animal. Pode haver no olho estrábico, alteração na acuidade visual, ou seja, o gato não enxerga com nitidez, ou em alguns casos, acuidade zero (cegueira total). Existem raças que são mais predispostas ao aparecimento de estrabismo, como por exemplo, o Siamês. Esses felinos trazem essa alteração geneticamente, por isso não há forma de prevenir. Outras raças podem também ser propensas, tais como:  Persa, Angorá, Red Point e etc.

Existem dois tipos principais de estrabismo: O convergente e o divergente.

Convergente: Esse tipo de estrabismo é o mais comum nos gatos. É caracterizado pelo o olhar cruzado, ou seja, o animal olha em direção ao nariz.

Divergente: O estrabismo divergente é mais difícil ocorrer nos gatos. Nesse caso, os olhos aparentam estar olhando para os lados.

Estrabismo em gatos. Foto: Reprodução

Estrabismo em gatos. Foto: Reprodução

As causas para o aparecimento do desvio ocular, na maioria das vezes, são de origem muscular. Os olhos, para focar em determinado local, são movidos por músculos comandados pelo sistema nervoso. Quando ocorre a flacidez de um desses músculos, o olho é puxado para o lado oposto da flacidez, causando assim, o estrabismo. Outro fator muito importante é a doença neurológica. Animais com traumatismo craniano, hidrocefalia, tumores cerebrais e etc, podem apresentar essa sintomatologia.

Os sinais clínicos normalmente consistem nos desalinhamento dos olhos. Gatos com estrabismo bem acentuado podem perder a noção de profundidade (capacidade natural de calcular a distância entre as coisas), como dito anteriormente. Conseqüentemente, podem bater a cabeça contra objetos, móveis, entre outros obstáculos. Quando o estrabismo é decorrente de uma alteração neurológica, o animal pode apresentar: Tremores; Dificuldade de locomoção; Convulsões, prostração e outros sinais clínicos.

O diagnóstico deve ser feito de preferência por um médico veterinário oftalmologista. Os animais são submetidos ao exame ocular clínico minucioso, porém, caso o profissional suspeite que a origem é neurológica, exames específicos podem ser requeridos, tais como: Tomografia, Ressonância, Eletroencefalograma , entre outros.

O tratamento cirúrgico do estrabismo, na maioria das vezes, não é feito. Nos seres humanos, correções de estrabismo são bastante comuns, principalmente devido à estética. Nos animais, é bastante raro profissionais executarem cirurgias por questões meramente estéticas. Em casos da alteração ser de outra origem, por exemplo, a neurológica, terapias específicas são eleitas pelo médico veterinário responsável pelo caso.

A prevenção consiste em não cruzar gatos estrábicos para que o gene não seja passado para os filhotes. É importante que todo animal estrábico seja avaliado por um oftalmologista veterinário. Os animais, assim como nós, seres humanos, necessitam sempre de uma avaliação de um profissional da área médica.

 

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo

Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária

Contato: [email protected]

deixe seu comentário: